ARQUIVOS DE ADALBERTO PESSOA

25 de junho de 2010

A Quinta Força (Parte 3) – A Primeira Grande Força: A Psicologia Behaviorista

Filed under: Espiritualidade,Filosofia,Psicologia — arquivosdeadalberto @ 0:13

A Primeira Grande Força na Psicologia:

A Psicologia Comportamental ou o Behaviorismo

O movimento da Psicologia Behaviorista que se organizou nos EUA a partir do início do século XX representou a influência conjunta de várias tradições filosóficas e científicas. O positivismo, aqui, se manifesta na condenação da pretensão em ir além do observável e da elaboração de leis empíricas. O pragmatismo, por sua vez, se faz presente em sua ênfase no caráter instrumental do conhecimento e na produção do conhecimento útil. As primeiras vítimas, então, do ataque conjunto do positivismo e do pragmatismo foram a introspecção e a “vida interior”, com o “Behaviorismo Metodológico” de Watson (1878-1958), abordagem teórica e prática da época que estabelecia como objeto da Psicologia o comportamento do organismo como um todo (Figueiredo, 1991).

Notamos aqui, que nesse momento histórico inicial, o tipo de psicologia científica que se propõe, é uma psicologia materialista, no sentido de que seja no Behaviorismo Metodológico de Watson, seja em todo o apanhado de abordagens quantificadoras em psicologia, que foram citados anteriormente,  considera-se aquilo que normalmente denominamos como sendo o pensamento, um resultado e um produto essencialmente derivado da atividade das células do cérebro e do sistema nervoso corporal. No Behaviorismo Metodológico de Watson, especificamente essa visão materialista chegou, mesmo, ao cúmulo de negar a realidade da subjetividade e dos estados mentais, pois em função de seu caráter positivista, a abordagem de Watson considerava que a Psicologia só poderia ter como objeto de estudo algo concretamente observável. Como o conceito de “mente” é algo abstrato, não “possuindo uma realidade concreta observável”, ele era rejeitado e negado em todos os sentidos.  Concreto e valorizável era, portanto, o comportamento observável, medível e descritível.  O pensamento, enquanto tal, só seria apreensível, enquanto atividade do funcionamento do cérebro (visão materialista), com um conteúdo condicionado por variáveis ambientais. Tudo isso, poderia ser medido, observado e/ou descrito, por isso era legítimo de ser estudado.

Segundo o próprio Skinner (1994), “…Watson fez importantes observações  acerca do comportamento instintivo e foi, na verdade, um dos primeiros etologistas no sentido moderno. Entre os fatos de que dispunha, relativos ao comportamento, estavam os reflexos e os reflexos condicionados, aos quais ele explorou ao máximo. Todavia, o reflexo sugeria um tipo de causalidade mecânica que não era incompatível com a concepção que o século XIX tinha de uma máquina. A mesma impressão fora dada pelo trabalho do fisiólogo russo Pavlov publicado mais ou menos na mesma época, e  não    foi corrigida pela psicologia do estímulo-resposta, surgida nas três ou quatro décadas seguintes.

Watson naturalmente destacou os seus resultados mais passíveis de reprodução que pôde descobrir, e muitos desses resultados foram obtidos com animais – os ratos brancos da Psicologia animal e os cães de Pavlov. Parecia estar implícito que o comportamento humano não tinha características distintivas. Para apoiar a sua afirmação de que a Psicologia era uma ciência, ele fez empréstimos da anatomia e da fisiologia. Pavlov adotou a mesma linha ao insistir em que seus experimentos sobre o comportamento eram, na realidade, ‘uma investigação da atividade fisiológica do córtex cerebral’, embora nenhum dos dois pudesse apontar qualquer observação direta do sistema nervoso que esclarecesse o comportamento. Eles foram também forçados a fazer interpretações apressadas do comportamento complexo; Watson afirmando que o pensamento era apenas uma fala subvocal e Pavlov, que a linguagem não passava de um segundo sistema de sinais. Nada, ou quase nada, tinha Watson a dizer a respeito de intenções, propósitos ou criatividade. Ele acentuava a promessa tecnológica de uma ciência do comportamento, mas seus exemplos não eram incompatíveis com um controle manipulador”.

Não poucas vezes, Allan Kardec, ainda no século XIX, postulou que tais considerações seriam uma conseqüência natural de uma posição materialista, que reduzisse o homem ao nível de uma máquina e desconsiderasse suas emoções, anseios, e o que é ainda mais grave, seus comportamentos morais.

B.F. Skinner tentou, em momento posterior, oferecer uma solução para os impasses desse tipo de psicologia, através de uma proposta bem mais elaborada e complexa (embora tenha, no final das contas – como veremos – continuado materialista). Refutando o “Behaviorismo Metodológico” de Watson, e expondo as suas limitações, Skinner propôs a sua abordagem teórica ao qual denominou “Behaviorismo Radical”.

O “Behaviorismo Radical” é, na verdade, a filosofia da “Análise Experimental do Comportamento” ou da ciência (ou engenharia) do comportamento, criada ambas – a filosofia e a ciência – por B. F. Skinner.

Skinner se esforçou, sobremaneira, para diferenciar o seu “Behaviorismo Radical”, do “Behaviorismo Metodológico” de Watson. De fato, o seu materialismo baseado numa visão funcionalista e organicista, avançou alguns passos em relação à visão materialista mecanicista e positivista de Watson.

O principal avanço da Psicologia Comportamental de Skinner, em relação ao Behaviorismo Metodológico de Watson é o seguinte: Watson opunha-se à realidade dos conteúdos internos, o que em outras palavras significava que ele negava a existência da mente e da subjetividade. O Behaviorismo Radical se distingue por não negar a existência dos estados internos: o fato de que esses estados se situem dentro do organismo e não possam ser observados senão pelo próprio sujeito não põe em discussão a sua existência, como fazia pensar o positivismo de Watson.

Para o Behaviorismo Radical, o objeto de estudo da Psicologia – como no Behaviorismo Metodológico – é o comportamento. Porém diferente de Watson, para Skinner, o comportamento não é visto apenas como uma reação ao meio, mas como o resultado da própria interação do organismo com o meio. O analista do comportamento não está interessado em investigar o que o comportamento significa, ou o que ele simboliza, mas sim, interessado em estudar as variáveis que afetam esse comportamento, e de que maneira.

Em um primeiro momento, a Psicologia Comportamental de Skinner parece escapar um pouco da abordagem materialista de Watson. Reconhece a existência de um ente abstrato – a mente – os seus processos internos, e a realidade da subjetividade.

Se reconhecermos que esse é um pré-requisito fundamental para a elaboração de uma Psicologia que considere os aspectos espirituais do ser, seguindo a Lei do Progresso (descrita pelo Espiritismo), observamos que o Comportamentalismo também realizou um certo avanço.

Entretanto, o Behaviorismo Radical coloca tudo a perder e esbarra exatamente em um dos seus postulados principais: o Comportamentalismo de Skinner considera que embora a mente exista, ela não possui status de causa do comportamento em qualquer nível de manifestação. Ou seja, a mente, a subjetividade e os estados internos existem; talvez, a própria alma exista! Mas, nada disso explica porque uma pessoa se comporta dessa ou daquela maneira. Assim, um psicólogo comportamental, simplesmente não aceita a explicação de que uma ou outra pessoa tenha se comportado dessa ou daquela maneira, “porque sentia isso ou pensava aquilo”. A explicação estaria sempre na interação do organismo com as variáveis do ambiente físico e social, e não no que a pessoa pensa e sente.

Apesar de toda a sofisticada elaboração skinneriana, o Behaviorismo Radical, em função mesmo de sua posição em relação a influência do pensamento sobre o comportamento, subestimando essa influência, não conseguiu evitar de atrair para si críticas semelhantes às realizadas à abordagem mecanicista de Watson. Muitas dessas críticas foram equivocadas, outras bem fundamentadas.

As críticas mais contundentes acusam que o Behaviorismo encara o ser humano como essencialmente passivo, controlado por estímulos provenientes do mundo externo, como se o homem fosse um mero autômato (Nagelshmidt, 1996). Essa crítica é levantada tanto para o “Behaviorismo Metodológico” de Watson, quanto para o “Behaviorismo Radical” de Skinner, mas a partir de uma leitura mais imparcial, observamos que ela seria mais aplicável à abordagem de Watson. A abordagem skinneriana surgiu exatamente como uma oposição ao pensamento mecanicista da abordagem de Watson, que também era criticada por autores de diversas outras abordagens teóricas.

A matriz de pensamento funcionalista subjacente ao modelo de Skinner enfatiza três fenômenos característicos dos seres vivos, no universo dos eventos naturais, que desafiam o poder compreensivo do mecanicismo e dos procedimentos analíticos atomicistas: a reprodução, o desenvolvimento e a autoconservação. Como afirma Figueiredo (1991), “… nenhum ser inanimado reproduz-se e nenhuma máquina constrói outra máquina que se lhe assemelhe; uma máquina não se monta sozinha; finalmente, a máquina estragada não se conserta nem tem a capacidade de se modificar de forma a se manter em funcionamento apesar das variações do meio ambiente”.

Skinner – ao contrário de Watson – tinha toda essa concepção em alta conta, quando elaborou o corpo teórico e prático da sua abordagem comportamental. A existência desses fenômenos – a reprodução, o desenvolvimento e a autoconservação – indica a especificidade dos seres vivos que aponta para algo “dentro” deles: superficialmente o ser vivo é matéria tão acessível como qualquer outra aos procedimentos da física e da engenharia. Essas três características sugerem, porém, a existência por debaixo da superfície observável, para lá da pura anatomia, de processos e mecanismos sui generis (Figueiredo, 1991). Essas considerações que encontramos na literatura científica não-espírita, também foram apontadas por Allan Kardec (1868), em seu livro “A Gênese”. Assim, observamos que a intuição de todos esses processos e mecanismos também alimentou o pensamento vitalista dos séculos XVII, XVIII e XIX.

Em Skinner, observamos que o tronco funcionalista de sua teoria parece caminhar para retirar o Behaviorismo do materialismo restritivo de Watson, ao considerar a existência da mente. Ele quase conseguiu rebater a crítica de que o Behaviorismo Radical “… apresenta o comportamento simplesmente como um conjunto de respostas a estímulos, descrevendo a pessoa como um autômato, um robô, um fantoche ou uma máquina”. Porém, Skinner coloca tudo a perder quando insiste em afirmar que as emoções e o pensamento não influenciam ou não explicam o comportamento. Afinal, um ser vivo dessa natureza não nos transmite, novamente, a impressão de uma concepção de ser humano similar a uma máquina ou um robô, sem emoções?

(continua…)

3 Comentários »

  1. Olá passei aqui de novo para avisar que o blog de psicologia antigo saiu do ar devido aos muitos acessos simultaneos, entao, estou aqui pra te avisar do novo blog: ==> http://psicologiaparatodos.orgfree.com/blogpsicologia

    não esqueça de visitar! Pode esquecer o outro endereço!

    Abraços!!!!!!!!

    biel

    Comentário por bields84 — 22 de agosto de 2010 @ 5:08 | Responder

  2. Caro amigo,
    venho aqui para esclarecer alguns aspectos nao tão fundamentados da sua critica,
    Primeiramente, a teoria behaviorista metodologica acredita em mente SIM, as considerações sobre os dados da pesquisaa de Watson e seguidores tinham caracter mentalista, ja o behaviorismo radical nao usa o termo mente e nem acredita na sua existencia, pois acreditamos (digo acreditamos pois sou behaviorista radical) que o termo mente eh abstrato, e resume muita coisa q nao pode ser resumida para uma ciencia do comportamento. O que se intitula “mente” é uma grande variedade de comportamentos, q são todos passiveis de explicaçoes Um a Um e naum como uma unica entidade mente, isto é, um repertorio muito vasto para ser resumido em um unico termo. Outra informaçoe erroena no seu parecer sobre o behaviorismo é a de que nos nao damos credito a função das emoçoes, sentimentos e outros internos do organismo para a explicação do comportamento, apenas naum atribuimos como CAUSA do comportamento, sendo q a causa esta sempre no ambiente (por exemplo: uma pessoa diz q matou a outra por estar com raiva, essa raiva assume no discurso dessa pessoa a função de CAUSA do seu comportamento de mata-la, POREM essa raiva eh em si so um comportamento passivel de estudos para o analista do comportamento, e essa raiva foi iliciada por um evento ambiental, esse evento q desencadeou o matar, e naum a raiva do organismo, a raiva so assumiu o papel de modificar as variaveis internos do organismo, a ponto de tornar a morte do outro um reforçador mais poderoso do q se ele naum tivesse com raiva…isto é, naum seria reforçador ver o outro morto, se naum tivesse a raiva presente,mas de qualquer forma, ele poderia naum ter matado, e então a raiva naum seria uma causa, concorda? busque pelos termos Operaçoes Estabelecedoras e Operaçoes Motivacionais e Emocionais, são classicos em analise do comportamento, e vc entendera melhor).
    Vc mesmo disse alguns textos acima q as diferenciaçoes entre espirito, perispirito, alma e corpo fisico são funcionais num caracter FILOSOFICO e naum num caracter Pratico, visto q o espirito qdo encarnado esta 100% sujeito as leis do corpo fisico, caso naum fosse assim, naum seria necessaria a reencarnação no corpo fisico. Ate por que a analise do comportamento não esta tão interessada na interação fisiologica do organismo e sim na interação do ser inteligente que se comporta, ou seja o espirito, e como o espirito aprende, e ve o homem como um todo, e naum o divide em partes, ate por que a divisão so eh possivel apos o desencarne e naum antes dele.
    A visão comportamental eh a mais proxima da visão espirita, nao nos seus objetos de estudo como na psicologia transpessoal, mas no seu conceito de homem ( ou de espirito, pra bons entendedores) a unica coisa materialista no comportamentalismo eh a sua visão sobre ele e naum o q ele realmente prega, digo isso como estudioso da area e como seguidor da doutrina dos espiritos.
    O nosso ambiente fornece a estimulação necessaria para q ocorra o comportamento e nos da a oportunidade de escolha sobre como se comportar (livre arbitrio?) e nos temos dentro de nos PARTE desse ambiente…somos tambem esse ambiente, a sua imageme semelhança, os comportamentos morais são aqueles q caminham junto com o desenvolvimento do ambiente como um todos e os comportamentos trasngressores vão contra o ambiente.Porem as consequencias dos comportamentos q os organismos emitem são inevitaveis (isso se chama triplice contingencia S-R-C;estimulo-resposta-consequencia) como jesus dizia,o plantio eh livre e a colheita é inevitavel. Toda a lei de Deus eh perfeitamento compreensivel a luz da literatura analitico-comportamental e ja naum eh tão clara visto por outras perspectivas teoricas, pois se Deus sabe de td e quer td, e naum cai UMA FOLHA SECA DE UMA ARVORE SEM A PERMISSÃO DE DEUS, como pode o homem se colocar contra essa vontade, e como pode julgar sua “força interna” chamada mente sulficientemente forte pra fazer o q quer q seja, sem a permissão de Deus ( ou do ambiente, como chamamos na analise do comportamento), pois o ambiente eh td, esta em td, onipotente oniciente e onipresente, eh do AMBIENTE q surgiu o homem (numa perspecitva tanto filogenetica qto espiritual, pq o espirito surge do universo , e naum de fora do universo por o universo naum tem fora). Eu aconselho a modificação desse texto com um embasamento teorico mais forte e principalemente uma COMPREENSÂO DOS TERMOS mais refinada, o q eh essencial para q qualquer critica seja embasada, pois seu texto exprime uma ofensa tanto a analise do comportamento, qto aos seus seguidores espirtas( ou naum espiritas q tambem merecem o mesmo respeito), pois se sua filosofia espiritual é tão forte qto vc pensa q ela eh vc deveria saber q julgar sem saber vai contra as leis do altissimo, alem de ser um falso testemunho sobre a analise do comportamento, afastando outras pessoas da verdade, e cultivando os preconceitos e discriminaçoes q ja existem a cerca da analise do comportamento. Termino esse parecer com um trecho da fantastica musica Um Indio de caetano veloso, q por ser uma manifestação artistica, esta acima da ciencia, conseguiu unir a definiçao do q eh a anlise do comportamento, e da volta de Jesus para a terra:
    “E aquilo que nesse momento se revelará aos povos
    Surpreenderá a todos, não por ser exótico
    Mas pelo fato de poder ter sempre estado oculto
    Quando terá sido o óbvio”

    grato
    Gabriel Zin

    Comentário por Gabriel — 16 de setembro de 2011 @ 19:37 | Responder

    • Gabriel, gostei muito de seu comentario, como um quase psicologo, que segue a abordagem comportamental estou sempre tentando encaixar a Análise do Cpt ao Espiritismo, ainda avancei pouco no tema, mas acredito que chegarei lá, gostaria de troca mais ideias com você em relação ao assunto.
      Abraços.

      Comentário por Lucas — 1 de setembro de 2012 @ 22:25 | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: